Um Jardim na Margem do Orontes

13,00

REF: 9789899006713 Categorias: , , Etiquetas: ,

Descrição

René Gillouin: «Não lemos este livro, respiramo-lo como um perfume, saboreamo-lo como se fossem frutos, escutamo-lo como uma sinfonia, seguimos no fundo de si próprio, na articulação da alma sensível e da imaginação, o desenrolar de uma sucessão de frescos voluptuosos e pungentes.»

Um Jardim na Margem do Orontes surgiu na Revue des Deux Mondes nas edições de 1 até 15 de Abril [1922], assumindo o formato de livro no mês seguinte. Este texto começou por querer-se uma novela que integraria um volume, mas viu-se com as dimensões de um romance. Repleto da energia e do ritmo de uma ópera (e Barrès dizia: «Vou contar umas das pequenas óperas que tenho no espírito.»), compõe o cenário de uma tragédia; e dele foi, de facto, retirada uma ópera pelas mãos de Alfred Bachelet. Mas essa estrutura que se constrói sobre uma tragédia é percorrida por uma linguagem enérgica que não se demora em tornar vivos os cheiros, as cintilações, as texturas de que o texto está cheio — são palavras de sábia escolha que chegam ao leitor à custa de uma pureza de estilo que confere ao romance uma qualidade de cápsula do tempo, onde os amores de um cristão e de uma rainha sarracena vão decorrendo com a consistência de uma lenda. […] Para servir de pano de fundo aos amores que se contam neste livro, Barrès decidiu colocar o narrador ao abrigo do ruído milenar das gigantescas nórias que hoje permanecem em Hamã apenas pelo seu valor histórico. Talvez seja esse o sábio ardil de Maurice Barrès, fazer acompanhar a sua história com o ruído dessas gigantescas rodas de madeira, ao mesmo tempo que invoca um Oriente secreto que o tempo tem conservado com toda a sua singularidade ficcional, criando simultaneamente um efeito hipnótico através da linguagem que utiliza.
Ainda assim, este romance de fulgores orientais não agradou a certos leitores de Barrès; e aquele Guillaume, que por causa dos seus amores distorce o que são os bem firmados valores da igreja, não foi do agrado de muitos cristãos. […] Então Barrès surge aqui como um romancista mais livre de pejos, coisa que não agradaria a alguns e deu início àquilo que o padre Brémond, seu amigo, disse ser a «tola querela do Orontes.»

Diogo Ferreira

Informação adicional

de

Maurice Barrès

Editora

Sistema Solar

Edição

Maio de 2021

Tradução

Diogo Ferreira

Encadernação

Capa Mole

Páginas

128

Avaliações

Ainda não existem avaliações.

Seja o primeiro a avaliar “Um Jardim na Margem do Orontes”

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.