Persistência da Obra I — Arte e Política / Persistance de l’oeuvre I — Art et politique

22,00

Descrição

A persistência também se faz na e através da diferença — das formas, dos tons e dos estilos. Para todos os participantes, bastou-nos um acordo profundo, ainda que por vezes tácito, sobre a necessidade ou mesmo a urgência de pensar a persistência da arte. Com efeito, poderia mesmo dizer-se que os dois encontros (sobre arte e política, primeiro, e sobre arte e religião, depois) procuram desenhar aquilo a que se poderia chamar a encruzilhada moderna da arte, mostrando a impossibilidade, o impasse ou mesmo o desastre aos quais conduziram as combinações ou as fusões variadas entre estas três vias (arte, política e religião). E sendo a obra (ou a sua ideia), de cada vez, o operador de uma aliança estético-política e/ou estético-religiosa, compreende-se que já se tenha podido responder a esse desastre com a injunção da «inoperância» (désoeuvrement). Todavia, tal nunca implicou que a ideia  de obra, confinada exclusivamente ao campo artístico, devesse alguma vez ser abandonada.

Tal é a razão pela qual proponho hoje esboçar um outro gesto: distinguir arte, política e religião, começando por desatar os nós mais apertados de uma tal encruzilhada. É a única maneira de proceder, parece-me, para que a obra enfim se liberte.

Informação adicional

de

Boyan Manchev, Silvina Rodrigues Lopes, Jean-Luc
Nancy, Federico Ferrari, Tomás Maia, Isabel Sabino
Organização de Tomás Maia

Editora

Documenta

Edição

Janeiro 2021

Encadernação

Capa Mole

Páginas

368

Avaliações

Ainda não existem avaliações.

Seja o primeiro a avaliar “Persistência da Obra I — Arte e Política / Persistance de l’oeuvre I — Art et politique”

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.