Meditação sobre a Técnica

17,00

Descrição

“A técnica é o contrário da adaptação do sujeito ao meio, dado que é a adaptação do meio ao sujeito.”

Se o ser humano se contentasse com o que é objectivamente necessário para existir, não precisaria da técnica. Contudo, não lhe basta satisfazer necessidades básicas e tende mesmo a ultrapassar o problema dessa satisfação, impondo à natureza uma reforma que anule esse problema e lhe assegure bem-estar. Para ele, sublinha Ortega, viver não é simples estar, mas sim bem-estar, e só sente como necessidades as condições objectivas do estar, porque este é pressuposto do bem-estar.

“Os animais não conhecem a infelicidade, mas o homem age sempre em luta com o seu maior desejo, que é o de chegar a ser feliz. O homem é, essencialmente, um insatisfeito, e isto – a insatisfação – é o mais alto que o homem possui, precisamente porque se trata de uma insatisfação, porque deseja ter coisas que não teve nunca. Por isso costumo dizer que esta insatisfação é como um amor sem amada ou como uma dor que sinto em membros que nunca tive. Aparece-nos o homem, pois, como um animal desgraçado, na medida em que é homem. Por isso não está adaptado ao mundo, por isso não pertence ao mundo, por isso necessita um mundo novo, que estes senhores à nossa volta querem edificar, e talvez o vão conseguindo fazer pouco a pouco.”

“A técnica é a reforma da natureza, dessa natureza que nos torna necessitados e carenciados, reforma em sentido tal que as necessidades ficam se possível anuladas por deixar de ser problema a sua satisfação.”

Informação adicional

de

José Ortega y Gasset

Editora

Fim de Século Edições

Edição

2009

Tradução

Margarida Isaura Almeida Amoedo

Encadernação

Capa Mole

Páginas

136

Avaliações

Ainda não existem avaliações.

Seja o primeiro a avaliar “Meditação sobre a Técnica”

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.