Má Sorte que ela Fosse Puta

14,00

REF: 9789898833709 Categorias: , , Etiquetas: ,

Descrição

Uma bela e sombria tragédia de John Ford — mundo de valores transtornados, com a insolente reivindicação de um incesto indiferente aos códigos sociais e a uma moralidade anulada pela crise espiritual que atingia o seu auge nesse princípio do século XVII britânico.

O dramaturgo John Ford socorreu-se da autoria partilhada. Em 1624 associou-se a Thomas Dekker e William Rowley para escrever The Witch of Edmonton; nesse mesmo ano, e só com Thomas Dekker, também escreveu The Sun’s Darling; e entre as suas seis peças perdidas houve mais duas partilhadas com Dekker, e uma com William Rowley e John Webster.

Má Sorte que Ela Fosse Puta e The Lover’s Melancholy, ambas de 1626, parecem ter sido as suas primeiras peças de autoria solitária; a revelarem-no com uma diferença violadora das regras estabelecidas por Shakespeare e os seus contemporâneos; a despojar, a evitar metáforas e a dar preferência à fala directa; a substituir a serenidade isabelina pelas agressividades da sátira e do cinismo. John Ford não deu à sua posteridade esse prazer da citação, essa colecção de frases e expressões que as peças de Shakespeare emprestam com abundância às exibições da cultura; sonhou e escreveu textos para um teatro que saltou sobre as formas que cumpriam a tradição, com personagens que evitavam a ênfase e a requintada elaboração metafórica para reproduzir o reconhecível discurso dos homens do seu tempo.

Má Sorte… tem no seu centro Annabella, que Antonin Artaud considerou «a imagem do perigo absoluto».

Informação adicional

de

John Ford

Editora

Sistema Solar

Edição

Outubro de 2021

Tradução

Aníbal Fernandes

Encadernação

Capa Mole

Páginas

144

Avaliações

Ainda não existem avaliações.

Seja o primeiro a avaliar “Má Sorte que ela Fosse Puta”

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.