Chita – Uma memória da Ilha do Fim

13,00

REF: 9789898833983 Categorias: , , Etiquetas: ,

Descrição

A obra-prima de Lafcadio Hearn.
Chita, a órfã da Ilha do Fim,
no «maravilhoso círculo duplo do Azul…
glórias gémeas de profundidades infinitas
que se entre-reflectem enquanto o Além do Mundo…
Derrama uma preciosa luz.»

«[…] Antes deste Lafcadio Hearn dominado pela sedução japonesa há, portanto, o Lafcadio das «lamentáveis odisseias na Europa e na América», onde encontramos o autor de Chita, o seu primeiro romance — de 1887 no Harper’s Magazine de Nova Iorque, e dois anos depois em livro numa versão ligeiramente modificada.
O japonês Yakumo Koisumi teve como o seu primeiro nome inteiro Patricio Lafcadio Tessima Carlos Hearn, o que lhe foi dado quando nasceu no ano 1850 em Lêucade, uma ilha do Mar Jónico nessa altura sob ocupação inglesa e hoje pertencente à Grécia.
[…] Os seus seis anos de Cincinnati tiveram de ser prolongados por outros, agora no jornalismo de Nova Orleães, a cidade do Mississipi racialmente mais permissiva, e desta vez na redacção de Le Commercial.
Foi ali, numa confusão urbana que misturava o inglês, o francês, o espanhol, e fazia nascer variantes crioulas, inventoras de palavras com ecos de todas estas línguas, que Lafcadio Hearn imaginou o seu primeiro romance — Chita (uma redução de Conchita), a personagem feminina que serviria de pretexto à longa evocação da tragédia da Ilha do Fim.
[…] Lafcadio Hearn, já a assumir-se como autor de textos de ficção, escreveu para o jornal Times-Democrat inventados fragmentos de cartas de um dos sobreviventes dessa catástrofe, e chamou-lhes Torn Letters (Cartas Rasgadas), um êxito que o incitou à narrativa Chita, pouco depois publicada no Harper’s Magazine.
Numa carta de 1888 — a altura em que ele viveu na Martinica como correspondente do Harper’s Magazine e pensava em publicar em livro a novela escrita um ano antes para esse mesmo jornal — Hearn informa que a «sua Conchita» lhe tinha sido inspirada pelo caso verídico de uma rapariguinha salva por pescadores do desastre da Ilha do Fim — e marcada, a partir dos quatro anos de idade, por uma paternidade desconhecida.»
Aníbal Fernandes

 

Informação adicional

de

Lafcadio Hearn

Editora

Sistema Solar

Edição

Fevereiro de 2022

Tradução

Aníbal Fernandes

Encadernação

Capa Mole

Páginas

148

Avaliações

Ainda não existem avaliações.

Seja o primeiro a avaliar “Chita – Uma memória da Ilha do Fim”

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.