A Crise da Consciência Europeia: 1680-1715

21,90

Descrição

A Crise da Consciência Europeia: 1680-1715 expõe os fundamentos do pensamento contemporâneo, abrangendo a filosofia, a literatura, a política e a sociedade de um período decisivo para a história da Humanidade.
Paul Hazard analisa nesta obra os anos que precedem o Iluminismo e que marcam uma transição na história das ideias: de uma obediência à autoridade institucional e de uma crença dogmática, transita-se para o racionalismo, o questionamento e a liberdade individual. Se a transição é descrita como uma «crise», tal não é para menos, visto que está em causa a rejeição de valores como a tradição, a estabilidade, a convenção e um confronto com a abertura intelectual trazida pelo desenvolvimento da ciência e do método científico.
John Locke, Pierre Bayle, Espinosa e Richard Simon são alguns dos pioneiros nesta ruptura com a ordem instituída. O próprio Hazard é pioneiro no seu campo, o da literatura comparada, método que usa para descrever o antagonismo entre teorias e ideias filosóficas, e a diferença que se operou no comportamento humano.
Originalmente publicado em 1935, este livro resultou de trinta anos de trabalhos monográficos e contacto directo com as investigações histórico-literárias francesas, inglesas, italianas, alemãs, espanholas, portuguesas, norte-americanas e brasileiras. É importante trazê-lo de novo ao contacto do público português e, assim, recupera-se a edição portuguesa de 1948, há muito esgotada, com tradução e notas do professor e crítico Óscar Lopes.

Informação adicional

de

Paul Hazard

Editora

Imprensa da Universidade de Lisboa,

Edição

Setembro de 2020

Tradução

Óscar Lopes

Encadernação

Capa Mole

Páginas

464

Avaliações

Ainda não existem avaliações.

Seja o primeiro a avaliar “A Crise da Consciência Europeia: 1680-1715”

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.